Publicado em Educação

Escolas municipais estimulam empreendedorismo no Oeste do PR

por em07 Agosto 2017 119 acessos
  • .
Report ThisConteúdo Inadequado? Avise-nos

Com auxílio de metodologia do Sebrae/PR, professores desenvolvem atividades com crianças incentivando o protagonismo e o exercício de comportamentos empreendedores

Muito mais do que abrir o próprio negócio, empreender é fazer a diferença em qualquer atividade. As características empreendedoras podem ser aplicadas em todos os campos, inclusive na escola e com crianças. No oeste do Paraná, somente neste ano, o Programa Educação Empreendedora pretende envolver cerca de oito mil alunos do Ensino Fundamental em 90 escolas em 25 municípios.

“A metodologia do Programa prevê a capacitação dos professores para que, a partir dali, possam aplicar o conteúdo aos alunos. O desafio é trabalhar habilidades comportamentais que possibilitem expandir o olhar sobre as potencialidades de cada um, das outras pessoas e sobre o meio no qual está inserido. É protagonismo, é fazer a diferença”, conceitua a consultora do Sebrae/PR, Nara Regiane Reinheimer Pick.

Nara explica que o Educação Empreendedora trabalha desde crianças até jovens. “De 2014 a 2016, mais de 30 mil alunos de escolas públicas e privadas da região foram atendidos com o Programa, através de parcerias firmadas entre os municípios e o Sebrae/PR. A proposta pedagógica é estimular estudantes de todos os níveis de ensino ao conhecimento e a prática do empreendedorismo”, contextualiza.

O Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEPP), por exemplo, trabalha especificamente com crianças entre 6 a 14 anos, com cursos e atividades práticas que podem ser aplicados dentro e fora de sala de aula. “As atividades propostas são diferentes para cada idade, entretanto, todas favorecem metodologias criativas que instigam o empreendedorismo, autoconhecimento, empatia, etc.”, reforça.

Comportamento

“Nosso primeiro contato com a metodologia foi em 2015. O material foi bem aceito, se encaixou muito bem na proposta que tínhamos para a Disciplina de Empreendedorismo e Cidadania, instituída em 2014”, destaca a Coordenadora Pedagógica da Disciplina de Empreendedorismo e Cidadania da Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Santa Helena, Sandra Hippler.

Santa Helena é uma das cidades da região que aplicam o Programa Educação Empreendedora em 2017 e, conforme acrescenta Sandra, “o conteúdo é adequado a cada idade e instiga valores de protagonismo nas crianças, além de tratar de temas como educação financeira, consumismo versus consumidor, orçamento familiar, dentre inúmeros outros”, detalha.

Neste ano, um total de 1,6 mil crianças estão sendo contempladas com o conteúdo na cidade. “As atividades são lúdicas e muito práticas. Já sentimos resultados até mesmo nas famílias dos alunos, pois eles levam o conhecimento para casa e ensinam os pais a fazerem diferente. Eles incorporam o comportamento empreendedor, mudam de atitude e passam a pensar a longo prazo”, pontua Sandra.

Dentre as atividades já iniciadas neste ano em Santa Helena, estão o plantio de temperos e ervas medicinais para o desenvolvimento de receitas e produtos como o difusor de ambiente, que serão comercializados pelos alunos em uma feirinha do final do ano, com o objetivo de gerar aprendizagem e o exercício de comportamentos empreendedores a partir da vivência. Algumas turmas também já visitaram a ‘horta mandala’ no Refúgio Biológico, estimulando propostas de cidadania e proteção ao meio ambiente.

Exemplo

Fernando Ferreira de Souza Lima, Secretário de Educação de Foz do Iguaçu, conheceu o Programa quando ainda era professor, em 2010. “Na época, nossa escola (Escola Municipal Santa Rita de Cássia) foi escolhida para aplicação do projeto piloto do Educação Empreendedora no município. Foi uma experiência extremamente enriquecedora”, assinala.

O Programa, segundo o Secretário de Educação de Foz do Iguaçu, foi um diferencial não somente para os estudantes. “Mudou minha postura diante dos acontecimentos da vida e me permitiu compreender o empreendedorismo, que extrapola a dinâmica empresarial/comercial. O aprendizado me permitiu desenvolver habilidades empreendedoras aplicáveis nos diversos cenários da nossa vida”, admite.

Agora, como responsável pela Educação na cidade, Fernando Ferreira de Souza Lima está ainda mais engajado no Programa. “Começaremos os encontros com os professores neste segundo semestre. Nosso intuito é promover a ‘reciclagem’ das equipes que já participaram da vivência e ampliar o número de profissionais capacitados em 15% neste 2017”, indica.

A meta inicial, complementa o Secretário de Educação, é manter o crescimento do alcance do projeto de maneira gradual e sustentável. “Em um curto espaço de tempo, nosso objetivo é que possamos difundir o programa em toda a rede municipal, que hoje conta com 51 escolas e 37 centros de educação infantil que abrigam cerca de 2,4 mil professores e mais de 29 mil alunos”, prevê.

Visão empreendedora

Já em Tupãssi, que também integra ações do Educação Empreendedora neste ano, em vez da realização de feiras no final do ano, o foco serão mostras pedagógicas, nas quais as crianças mostrarão à comunidade tudo o que foi aprendido e produzido com o auxílio da metodologia. Tupãssi participa do Programa desde o segundo semestre de 2014.

“Neste ano, acompanhei desde o início da formação dos professores no Educação Empreendedora. Sinto que muda o jeito de olharmos para as coisas, nos estimulando a fazer diferente do que já está previsto”, explica a coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Tupãssi, Silvana Cristina Flores da Silva.

“Essa ampliação de visão fica nítida nos professores que participam e absorvem para si o conteúdo que depois será aplicado aos alunos. Já aos alunos, a satisfação é percebida no dia a dia em sala de aula, a cada atividade que os faz produzir e pensar de forma diferenciada. O retorno que os alunos nos dão nesses momentos é recompensador”, aponta Silvana.