Esportes
Logomarca atual da Central Nacional Unimed na barra da camisa do Bahia
Publicado em Esportes

A diretoria de Mercado do Esporte Clube Bahia encontrou uma solução inteligente para resolver uma difícil questão bastante comum no Marketing Esportivo – especialmente no futebol.

Para não prejudicar as estratégias de ativação da Central Nacional Unimed, patrocinadora do clube desde março de 2015 e cujo contrato acaba de ser renovado até o final de 2017 – leia mais aqui -, os dirigentes tricolores criaram uma nova propriedade comercial para a operadora de planos de saúde. A partir de junho, os goleiros do Bahia passarão a contar com um terceiro uniforme inteiramente verde, cor predominante da marca da Central Nacional Unimed. O novo fardamento será utilizado em algumas partidas, ainda não definidas, dependendo das cores dos times adversários e dos uniformes dos juízes.

A ideia surgiu durante as tratativas para renovação do acordo de patrocínio. A fim de deixar a camisa de jogo com menos elementos e informações, que prejudicam o impacto visual, a equipe de Marketing do Bahia propôs uma espécie de permuta aos parceiros comerciais: em vez da logomarca verde e branca na barra da camisa e no calção, a empresa ganharia um uniforme com suas cores. Assim, não perderia com uma possível descaracterização de imagem no caso de substituição das cores da logo.

Segundo Jorge Avancini, diretor de Mercado do Bahia, a proposta foi prontamente aceita pelos executivos da Central Nacional Unimed. “Uma relação comercial saudável deve ser baseada em ganha-ganha”, explica. “Se nossos parceiros se dispõem a alterar sua própria logomarca para atender um pedido nosso, o mínimo que devemos lhes oferecer é uma propriedade de destaque, capaz de atender sua estratégia de posicionamento e comunicação com o mercado.”

Com o novo acordo, a marca da Central Nacional Unimed, nesta temporada, será estampada nos uniformes de jogo sem a moldura verde, favorecendo, assim, a visibilidade de sua própria logo e das dos demais parceiros do clube. Nas outras propriedades comerciais – backdrop de entrevistas, placas no CT do Fazendão, site oficial do E.C. Bahia e ações promocionais -, o logotipo da empresa seguirá seu padrão tradicional.

Desde sua entrada no clube, em março de 2015, a Central Nacional Unimed já conseguiu 41 mil novas vidas na Bahia.

Camisa cheia
        
O uniforme do Esporte Clube Bahia possui atualmente cinco patrocinadores, além da Umbro, fornecedora de material esportivo: Caixa Econômica Federal, Canaã Alimentos, MRV Engenharia, South & Co. e a própria Central Nacional Unimed. Esta é a terceira temporada consecutiva que o time ostenta a “camisa cheia” – o que significa mais receitas para o clube.

             A camisa do Esquadrão de Aço conta, ainda, com um selo das Obras Sociais Irmã Dulce, uma iniciativa social do Bahia que repassa recursos para a referida instituição, sediada em Salvador.

O Plano de Demissão Voluntária Extraordinária – PDVE da Caixa Econômica Federal, lançado no dia 6 de fevereiro, e que projeta uma adesão de até 10 mil funcionários, está sendo questionado em sua cláusula terceira, primeiro parágrafo, por mencionar a renúncia de direitos passados e futuros do trabalhador.  

Na última sexta-feira, 10/02, a Procuradoria Regional do Trabalho – PRT do Ministério Público do Trabalho de Curitiba (PR) recebeu denúncia contra a Caixa referente à cláusula terceira e a procuradora Adriane Perini Artivon emitiu nota determinando a instauração de inquérito civil e prazo de dez dias para manifestação da instituição bancária. Em Recife (PE), o Sindicato dos Bancários ingressou com ação na Vara do Trabalho questionando a mesma cláusula. Também em Florianópolis (SC), o Sindicato dos Bancários do estado entrou com pedido de tutela provisória na 4ª Vara do Trabalho do TRT da 12º Região, que foi deferia na sexta,10, determinando a suspensão da referida cláusula.   

A possibilidade da existência de cláusulas que impedem o trabalhador de reivindicar judicialmente direitos ao assinar o termo de adesão de um Plano de Demissão Voluntária já foi alertada pelo FFA Advogados. “Infelizmente é uma prática comum nos PDVs das instituições bancárias. A cláusula em questão impede, por exemplo, de o trabalhador buscar na justiça o pagamento de horas extras, intervalo intrajornada, adicional de periculosidade, dentre outros pleitos”, explica Felipe Daltro, do FFA Advogados Belo Horizonte, que complementa: “Desta forma, resta evidente a atitude da Caixa em prejudicar os seus funcionários ao lançar um plano de demissão que não permite ao trabalhador ingressar com uma futura reclamação trabalhista questionando os seus direitos. Estamos discutindo sobre funcionários com contratos de trabalho com mais de 30 anos de serviços prestados”, avalia.

O advogado lembra ainda que a legislação é bastante transparente sobre este tema, conforme expõe a Orientação Jurisprudencial 270 do Tribunal Superior do Trabalho, no sentido de que os direitos trabalhistas são indisponíveis e irrenunciáveis. “A quitação somente libera o empregador das parcelas especificadas no recibo, como prevê o artigo 477, parágrafo 2º, da CLT e não como a Caixa quer impor com a quitação geral”, explica. A orientação do FFA Advogados é que aqueles que têm interesse em aderir ao plano consultem especialistas para terem resguardados seus direitos.

O que diz a Cláusula Terceira, Parágrafo Primeiro:

...
CLÁUSULA TERCEIRA – INDENIZAÇÃO – (…)

Parágrafo Primeiro – Neste ato o (a) empregado (a) uma vez recebendo a importância em moeda corrente do país nesta data, bem como assinando este termo, dá a CAIXA, plena e geral quitação, para nada mais reclamar em época alguma, seja a que título for, em relação aos direitos ou obrigações presentes ou futuras, em se tratando não somente do mencionado Contrato de Trabalho, mas também de todo período que ficou para trás da data deste termo.

Projeto Experimentando Diferenças participa das Paralimpíadas Escolares 2016
Publicado em Esportes

O projeto Experimentando Diferenças, criado com a proposta de sensibilizar o público para as conquistas e o valor do atleta paralímpico brasileiro, participa da edição 2016 das Paralimpíadas Escolares, que acontece de 22 a 25 de novembro, em São Paulo.

Este ano, oito modalidades estarão em disputa nas Paralimpíadas Escolares (atletismo, bocha, futebol de 7, goalball, judô, natação, tênis de mesa e tênis em cadeira de rodas), e todas elas terão provas no novíssimo CT Paralímpico, inaugurado em maio deste ano, na Rodovia dos Imigrantes, na capital paulista.

São mais de 700 atletas de 12 a 17 anos inscritos para as Paralimpíadas Escolares deste ano. Eles representam 24 estados e o Distrito Federal (apenas Roraima e Piauí não têm competidores para esta edição).

O projeto Experimentando Diferenças leva às grandes cidades do país atividades esportivas desafiadoras, realizadas numa arena de 130m², que é montada em shoppings centers e grandes eventos, como a Casa Brasil, na Rio 2016.

Nesses ambientes, monitores ensinam o público a jogar futebol com os olhos vendados, basquete em cadeira de rodas, além de games com simulação virtual de corrida e handbike, dentre outras modalidades do esporte adaptado. Assim, o público tem a oportunidade de se sentir “na pele” de uma pessoa com deficiência que pratica esportes.

Desde 2013, o projeto já esteve em 30 cidades, interagindo com mais de 40 milhões de frequentadores dos shoppings e grandes eventos onde a arena foi montada. Cerca de 160 mil pessoas aceitaram o convite para brincar no espaço, praticando esportes adaptados. E o melhor: utilizando equipamentos semelhantes aos usados por atletas profissionais nas competições internacionais.

Além dos monitores, que circulam o tempo todo pela arena apoiando os visitantes, o projeto conta com a participação de paratletas profissionais. Se relacionar diretamente com as pessoas num espaço lúdico tem sido uma experiência original para esportistas. Troféus e títulos no basquete, judô, canoagem, atletismo e bocha são conquistas dos paratletas brasileiros há muito tempo.

Para interagir com o público, o Experimentando diferenças receberá os seguintes atletas e convidados especiais:

23/novembro, manhã, quarta-feira: Dirceu Pinto (bocha);
23/novembro, tarde, quarta-feira: Antônio Tenório (judô) e Robson Caetano.
24/novembro, manhã, quinta-feira: Ricardo Costa (atletismo);
24/novembro, tarde, quinta-feira: Lais de Souza, Fernando Fernandes (paracanoagem) e Mateus Evangelista (atletismo);
25/novembro, manhã, sexta-feira: Bruna Alexandre (tênis de mesa);
25/novembro, tarde, sexta-feira: Fernando Fernandes (paracanoagem) e Susana Ribeiro (natação).

“É um orgulho para o Experimentando Diferenças estar presente nessa importante competição, reconhecida como principal celeiro formador de futuros atletas paralímpicos, no novíssimo Centro de Treinamento Paralímpico, na Rodovia dos Imigrantes, na capital paulista, que dispõe de excelente infraestrutura para os esportes paralímpicos”, disse Fernando Rigo, idealizador do projeto, ao comentar a participação do projeto nas Paralimpíadas Escolares.

Atualmente em sua 41ª edição, o Experimentando Diferenças foi criado em 2013, conta com a chancela do Comitê Paralímpico Brasileiro e com o patrocínio da Loterias Caixa.

MODALIDADES OFERECIDAS NO EXPERIMENTANDO DIFERENÇAS

Futebol com olhos vendados
Basquete em cadeira de rodas
Corrida em cadeira de rodas
Bocha
Handbike
Games com simulação virtual

Apoio da Caixa ao Paradesporto

A CAIXA é responsável pelo repasse aos Comitês Olímpico e Paralímpico Brasileiros de 2% da arrecadação bruta de todas as apostas efetivadas nas Loterias Federais. Os recursos oriundos de Loterias Caixa representam hoje a permanente garantia de realização do programa de fomento ao esporte adaptado, colocado em execução pelo CPB. Uma espécie de coluna vertebral 0da estrutura que o Comitê põe a serviço da consolidação do esporte adaptado no Brasil. Principal agente financeiro das políticas públicas de desenvolvimento social, a CAIXA, ao investir no paradesporto brasileiro, mais do que propiciar aos atletas de alta performance condições essenciais de treinamento em competições e torneios nacionais e internacionais, valoriza a inclusão social, a educação e a descoberta de novos talentos.

Serviço:
Experimentando Diferenças nas Paralimpíadas Escolares 2016
Data: 23 a 25 de novembro
Cidade: São Paulo (SP)
Local: Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro