Publicado em Tecnologia

Especialista da NHS aponta quais baterias são melhores para nobreaks

por em27 Julho 2017 127 acessos
  • .
Report ThisConteúdo Inadequado? Avise-nos

Garantir a energia em casa e no trabalho vem sendo uma das preocupações mais recorrentes ultimamente. E o avanço da tecnologia tem contribuído para isso. Hoje, para que essa preocupação seja sanada, um mix de equipamentos como nobreaks tem sido lançado no mercado, com o objetivo de suprir essa necessidade. Mas a pergunta é: se um nobreak necessita de bateria, qual a de melhor qualidade?

De acordo com a especialista em marketing da NHS, Débora Skrobot, empresa fabricante de nobreaks no Brasil, a bateria ideal para um equipamento como este dependerá da aplicação em que ele será usado, ou seja, para que tipo de dispositivo ele precisa proteger.

Segundo Débora, modelos de baterias Estacionárias apresentam alta capacidade de acúmulo de carga, altíssima qualidade e tecnologia e melhor desempenho quando expostas a altas temperaturas (seu eletrólito em forma fluida permite melhor dissipação térmica). Além dessas características, se destacam também por serem livres de manutenção (não é necessário adicionar água) e pela facilidade de diagnóstico (possuem indicador visual que facilita o trabalho do técnico em campo).

“Elas são as mais recomendadas e feitas especialmente para uso em aplicações como nobreaks e inversores, proporcionando um tempo de vida útil, em condições normais, de aproximadamente 500 ciclos de carga e descarga, o que corresponde entre três e cinco anos de utilização”, afirma.

Já os modelos de baterias Seladas são assim chamadas, por não apresentarem risco de vazamento do seu eletrólito, permitindo desta forma o seu transporte em várias posições. As aplicações das baterias seladas estão inseridas nas mais diversas áreas da tecnologia, como computadores, equipamentos fotográficos, equipamentos de iluminação, ferramentas elétricas, brinquedos, equipamentos hospitalares, inversores solar e etc. Em nobreaks também se destacam pela facilidade do transporte permitindo que saiam de fábricas instaladas internamente nos gabinetes.

“É um desafio alcançar o máximo de tempo de vida útil que as baterias podem proporcionar, isto porque geralmente não é possível ter controle de variáveis tais como: temperatura ambiente em que as baterias estão acondicionadas, ciclos de carga e descarga, umidade, manipulação de instalação e manutenção preventiva ideais, sendo estas condições de uso os principais motivos de redução de vida útil das baterias”, comenta.

Baterias automotivas?

Outra bateria bastante conhecida são as Automotivas. Para Débora, estas são as menos recomendadas para nobreaks, pois suas características não preveem os longos ciclos de carga e descarga a que serão submetidas. “Ela é ideal para veículo, pois o mesmo conta com o alternador que assume a função de manter o fluxo de energia, ou seja, ela é desenvolvida apenas para dar suporte no momento da ‘partida’ no veículo e não para sustentar uma carga por longos períodos”, garante a especialista. “Se aplicadas em nobreaks normalmente após 06 meses de aplicação sua desempenho estará muito comprometido trazendo danos ao nobreak”, finaliza.