Transporte

Evento acontece de 19 a 21 de setembro no Hotel Tivoli Mofarrej em São Paulo

São Paulo, setembro de 2017 – A Aliança Navegação e Logística e a Hamburg Süd participarão do XXIII Fórum Internacional Supply Chain & Expo. Logística 2017, entre os dias 19 e 21 de setembro no Hotel Tivoli Mojarrej, em São Paulo.

O evento, que se divide em fórum e exposição, é considerado um dos principais pontos de encontro dos executivos de logística do País O fórum se destaca pelas palestras internacionais e divulgação de pesquisas inéditas. Já a Expo.Logística complementa o ambiente propício ao networking, estimulando a troca de informações e experiências entre executivos e especialistas do setor.

Tanto o Fórum Internacional quanto a Expo. Logística são organizados pelo Instituto de Logística e Supply Chain (Ilos).

Para Jaime Batista, gerente nacional de vendas Cabotagem da Aliança, o evento é mais uma oportunidade para mostrar ao mercado os diferenciais dos serviços oferecidos pela Aliança e Hamburg Süd.   

Mesmo com a lenta retomada da economia brasileira, o serviço de cabotagem da Aliança cresceu cerca de 10% no primeiro semestre se comparado ao mesmo período de 2016. “Esperamos uma tímida recuperação da atividade econômica para o segundo semestre, o que deve consolidar esse crescimento de dois dígitos para todo o ano de 2017”, complementa Jaime.

Serviço
XXIII Fórum Internacional Supply Chain & Expo. Logística 2017
Data: 12 a 19 de setembro de 2017
Horário:
Local: Hotel Tivoli Mofarrej - Alameda Santos, 1437 - Cerqueira César, São Paulo (SP)

Sobre a Aliança Navegação e Logística
A Aliança Navegação e Logística foi fundada em 1950 por Carl Fisher. Em 1998, a empresa foi adquirida pelo Grupo Oetker, também proprietário da Hamburg Süd. Em 1999, a Aliança retomou o transporte de cabotagem no Brasil, que até então era subutilizado.

Entre 2013 e 2014, a Aliança reestruturou sua frota de cabotagem com um investimento de R$ 700 milhões na compra de 6 navios porta-contêineres com capacidades que variam de 3.800 TEUs a 4.800 TEUs. Atualmente, a empresa conta com 11 navios em operação no serviço, com amplo atendimento em 15 portos de Buenos Aires até Manaus, e um total de 104 escalas mensais.

A Aliança é market leader na cabotagem e possui uma carteira de clientes que vai do arroz ao zinco, com grandes, pequenas e médias empresas e em praticamente todos os segmentos do mercado, com destaque cada vez maior para os segmentos de bens de consumo duráveis. No ano passado, a cabotagem cresceu 7% em relação a 2015 e a expectativa para este ano é manter o ritmo de crescimento. Em 2016 foram movimentados 210 mil TEUs, o que significa um incremento de 15 mil TEUs em relação ao ano anterior.

A empresa tem forte atuação no mercado externo, com 25 navios porta-contêineres que fazem a rota internacional, distribuídos em 9 serviços. Além disso, oferece o transporte de granéis (fertilizantes, grãos e minérios), onde são utilizados 8 navios com capacidade que vão de 38 mil toneladas a 45 mil toneladas.

Sobre a Hamburg Süd
Hamburg Südamerikanische Dampfschifffahrts-Gesellschaft KG - Hamburg Süd está entre as dez maiores empresas de transporte marítimo de contêineres em todo o mundo. Com 116 navios de contêineres, capacidade física para mais de 600.000 TEUs e cerca de 50 serviços de linha, a empresa conta com 6.300 funcionários em 250 escritórios espalhados por todo o globo, garantindo que os clientes recebam soluções logísticas sob medida para suas necessidades específicas. O transporte de produtos frescos é uma competência essencial do grupo de transporte de cargas. A Hamburg Süd é um dos 5 maiores transportadores frigoríficos e está entre os líderes de mercado nas rotas comerciais Norte-Sul. Desde o final de 2014, a empresa também vem operando nas rotas comerciais Leste-Oeste. Fundada em 1871, a Hamburg Süd possui presenç a global como um armador de alta qualidade por meio de  sua subsidiária brasileira, Aliança, e sob a marca CCNI (Compañía Chilena de Navegación Interoceánica. Na categoria de transporte marítimo de cargas não regular (tramp shipping), a empresa opera graneleiros e petroleiros sob os nomes Rudolf A. Oetker (RAO), Furness Withy Chartering e Aliança Bulk (Aliabulk). Além de elevados padrões de qualidade, a atuação sustentável é uma parte fundamental da filosofia corporativa da Hamburg Süd. Para obter mais informações on-line, visite hamburgsud.com

Divulgação
Publicado em Transporte

São Paulo, 12 de setembro de 2017 –  A Aliança Navegação e Logística, líder no transporte marítimo via cabotagem, lançou, hoje, seu novo site (www.alianca.com.br). Com um design inovador, oferece um acesso mais fácil às informações sobre a empresa e os serviços prestados por ela.

Disponível em três idiomas – português, inglês e espanhol -, o site segue o mesmo modelo da Hamburg Süd no que se refere ao layout mais clean e moderno. Na home do novo portal é possível acessar informações importantes como: Programação de Navios, VGM  e Rastreamento de Carga.

“Com o site remodelado, o acesso aos nossos serviços ficou ainda mais simples e ágil. Nossa proposta é que o visitante consiga achar facilmente as informações, além de conhecer os diferenciais que oferecemos ao mercado”, afirma Lourenço Malanga, responsável por Comunicação e Marketing da Região Costa Leste da América do Sul.

A nova página também destaca os principais serviços prestados pela Aliança – Cabotagem e Mercosul. Na aba Cabotagem, é possível encontrar dados sobre como fazer o primeiro embarque nesse modal, transporte porta a porta e operações intermodais.  Na parte de Mercosul, o visitante encontra informações sobre as principais rotas para os portos no eixo Argentina, Uruguai, Paraguai e Patagônia.

Sobre a Aliança Navegação e Logística

A Aliança Navegação e Logística foi fundada em 1950 por Carl Fisher. Em 1998, a empresa foi adquirida pelo Grupo Oetker, também proprietário da Hamburg Süd. Em 1999, a Aliança retomou o transporte de cabotagem no Brasil, que até então era subutilizado.

Entre 2013 e 2014, a Aliança reestruturou sua frota de cabotagem com um investimento de R$ 700 milhões na compra de 6 navios porta-contêineres com capacidades que variam de 3.800 TEUs a 4.800 TEUs. Atualmente, a empresa conta com 11 navios em operação no serviço, com amplo atendimento em 15 portos de Buenos Aires até Manaus, e um total de 104 escalas mensais.

A Aliança é market leader na cabotagem e possui uma carteira de clientes que vai do arroz ao zinco, com grandes, pequenas e médias empresas e em praticamente todos os segmentos do mercado, com destaque cada vez maior para os segmentos de bens de consumo duráveis. No ano passado, a cabotagem cresceu 7% em relação a 2015 e a expectativa para este ano é manter o ritmo de crescimento. Em 2016 foram movimentados 210 mil TEUs, o que significa um incremento de 15 mil TEUs em relação ao ano anterior.

A empresa tem forte atuação no mercado externo, com 25 navios porta-contêineres que fazem a rota internacional, distribuídos em 9 serviços. Além disso, oferece o transporte de granéis (fertilizantes, grãos e minérios), onde são utilizados 8 navios com capacidade que vão de 38 mil toneladas a 45 mil toneladas.

Evento acontece de 12 a 14 de setembro no Centro de Convenções da Estação das Docas

São Paulo, agosto de 2017 – A Aliança Navegação e Logística, líder em cabotagem no Brasil, participará no próximo dia 12 de setembro do 10º Seminário Internacional de Transporte e Desenvolvimento Hidroviário Interior, no Centro de Convenções da Estação das Docas, em Belém (PA).

O evento é realizado periodicamente pela Sociedade Brasileira de Engenharia Naval (SOBENA), uma associação técnica civil que há mais de 50 anos tem como principal objetivo promover o desenvolvimento da engenharia naval e do transporte aquaviário no País.

No evento, a Aliança será representada pelo gerente nacional de vendas da cabotagem, Jaime Batista. O executivo falará sobre Logística e Transporte de carga, abordando, principalmente, as operações da empresa que envolve os portos da Amazônia, bem como as perspectivas sobre a movimentação de contêineres na região Norte.

“Estamos trabalhando intensamente a cabotagem em todas as regiões do país, em especial a região Norte onde há 2 anos iniciamos nossa atuação no Pará e Amapá, além de nossa atuação tradicional no Amazonas. Nossa oferta de serviços porta a porta, tem gerado o interesse de um número cada vez maior de empresas no elo de demandas logísticas nacionais e internacionais”, comenta Batista.

O seminário conta com a participação de projetistas, armadores, companhias de navegação, empresas de logística, pesquisadores, órgãos governamentais da área de transporte e de fomento, Marinha do Brasil, sociedades classificadoras, Universidades e estudantes. A última edição, realizada em 2015 em Manaus, contou com cerca de 350 participantes.

Serviço
10º Seminário Internacional de Transporte e Desenvolvimento Hidroviário Interior – Palestra com Jaime Batista da Aliança Navegação e Logística
Data: 12 de setembro de 2017
Horário: 15h50
Local: Centro de Convenções da Estação das Docas - Avenida Boulevard Castilho - Campina/Belém (PA)

Sobre a Aliança Navegação e Logística
A Aliança Navegação e Logística foi fundada em 1950 por Carl Fisher. Em 1998, a empresa foi adquirida pelo Grupo Oetker, também proprietário da Hamburg Süd. Em 1999, a Aliança retomou o transporte de cabotagem no Brasil, que até então era subutilizado.

Entre 2013 e 2014, a Aliança reestruturou sua frota de cabotagem com um investimento de R$ 700 milhões na compra de 6 navios porta-contêineres com capacidades que variam de 3.800 TEUs a 4.800 TEUs. Atualmente, a empresa conta com 11 navios em operação no serviço, com amplo atendimento em 15 portos de Buenos Aires até Manaus, e um total de 104 escalas mensais.

A Aliança é market leader na cabotagem e possui uma carteira de clientes que vai do arroz ao zinco, com grandes, pequenas e médias empresas e em praticamente todos os segmentos do mercado, com destaque cada vez maior para os segmentos de bens de consumo duráveis. No ano passado, a cabotagem cresceu 7% em relação a 2015 e a expectativa para este ano é manter o ritmo de crescimento. Em 2016 foram movimentados 210 mil TEUs, o que significa um incremento de 15 mil TEUs em relação ao ano anterior.

A empresa tem forte atuação no mercado externo, com 25 navios porta-contêineres que fazem a rota internacional, distribuídos em 9 serviços. Além disso, oferece o transporte de granéis (fertilizantes, grãos e minérios), onde são utilizados 8 navios com capacidade que vão de 38 mil toneladas a 45 mil toneladas.

Divulgação
Publicado em Transporte

São Paulo, agosto de 2017 – Milhares de acidentes acontecem a cada minuto nas estradas do País.  Por isso, a Aliança e a Hamburg Süd, especialistas no transporte porta a porta - no qual é possível utilizar diversos modais numa mesma operação-, criaram um projeto de prevenção de acidentes, que visa não somente reduzir os incidentes rodoviários em suas atividades, mas principalmente garantir a integridade da vida humana e do meio ambiente.

O Projeto Prevenção de Acidentes, batizado de PPA, baseia-se em três principais pilares: Gerenciamento de Riscos, Políticas Internas e Comunicação/Treinamento. Para a Gestão de Riscos, com a ajuda da Open Tech, empresa especializada em gerenciamento de riscos em transportes, foi possível ter maior visibilidade da operação, incluindo informações sobre a velocidade dos motoristas nas estradas, auditorias, inspeções rotineiras nos veículos, assim como a homologação dos pátios para a armazenagem dos contêineres carregados. Sobre as Políticas Internas, tanto a Aliança quanto a Hamburg Süd passaram a incluir cláusulas mais específicas em seus contratos, assim como as penalidades previstas em lei, no caso de descumprimento das regras acordadas.

A última parte e a mais importante do projeto é a Comunicação/Treinamento. Por meio de uma parceria com o SEST-SENAT e as próprias transportadoras desde o mês de Julho, estão sendo realizados workshops nas cidades onde há operações da Aliança e da Hamburg Süd. O evento é sempre ministrado aos sábados e sob a gestão de um analista de risco e da equipe da Open Tech. Os principais temas abordados durante o bate papo são: acidentes de trânsito, direção preventiva, bem-estar do motorista, procedimentos ao volante, manutenção dos veículos e multas de trânsito.

Para não prejudicar a operação, cada transportadora elege seu time de colaboradores para participar do workshop. A ideia é que os motoristas que participarem presencialmente multipliquem a informação para os demais. Porém, obrigatoriamente, todos deverão testar seus conhecimentos em um treinamento on-line e emitir um certificado de conclusão do treinamento. Após um ano, todos passarão por uma reciclagem.

Atualmente, cerca de 2.500 motoristas colaboram nas operações rodoviárias das duas empresas e todos deverão participar do treinamento. “Somos pioneiros nesse tipo de iniciativa. A ideia não é punir, mas prevenir e padronizar todo o processo de transporte rodoviário. Hoje, muitas transportadoras que trabalham conosco possuem esse tipo de treinamento. Outras prestam um ótimo trabalho, mas não possuem a iniciativa. Garantir o ritmo certo da operação e aumentar a qualidade dos serviços irão beneficiar a todos”, comenta o gerente nacional de Operações Intermodais da Hamburg Süd, Fernando Camargo.

A primeira cidade a receber o PPA foi Santos. Após quatro sábados consecutivos, cerca de 130 motoristas puderam participar do treinamento e compartilhar suas experiências. Até o final de 2017, o projeto irá passar por mais 9 cidades.

Sobre a Aliança Navegação e Logística

A Aliança Navegação e Logística foi fundada em 1950 por Carl Fisher. Em 1998, a empresa foi adquirida pelo Grupo Oetker, também proprietário da Hamburg Süd. Em 1999, a Aliança retomou o transporte de cabotagem no Brasil, que até então era subutilizado.

Entre 2013 e 2014, a Aliança reestruturou sua frota de cabotagem com um investimento de R$ 700 milhões na compra de 6 navios porta-contêineres com capacidades que variam de 3.800 TEUs a 4.800 TEUs. Atualmente, a empresa conta com 11 navios em operação no serviço, com amplo atendimento em 15 portos de Buenos Aires até Manaus, e um total de 104 escalas mensais.

A Aliança é market leader na cabotagem e possui uma carteira de clientes que vai do arroz ao zinco, com grandes, pequenas e médias empresas e em praticamente todos os segmentos do mercado, com destaque cada vez maior para os segmentos de bens de consumo duráveis. No ano passado, a cabotagem cresceu 7% em relação a 2015 e a expectativa para este ano é manter o ritmo de crescimento. Em 2016 foram movimentados 210 mil TEUs, o que significa um incremento de 15 mil TEUs em relação ao ano anterior.

A empresa tem forte atuação no mercado externo, com 25 navios porta-contêineres que fazem a rota internacional, distribuídos em 9 serviços. Além disso, oferece o transporte de granéis (fertilizantes, grãos e minérios), onde são utilizados 8 navios com capacidade que vão de 38 mil toneladas a 45 mil toneladas.

Sobre a Hamburg Süd

Hamburg Südamerikanische Dampfschifffahrts-Gesellschaft KG - Hamburg Süd está entre as dez maiores empresas de transporte marítimo de contêineres em todo o mundo. Com 116 navios de contêineres, capacidade física para mais de 600.000 TEUs e cerca de 50 serviços de linha, a empresa conta com 6.300 funcionários em 250 escritórios espalhados por todo o globo, garantindo que os clientes recebam soluções logísticas sob medida para suas necessidades específicas. O transporte de produtos frescos é uma competência essencial do grupo de transporte de cargas. A Hamburg Süd é um dos 5 maiores transportadores frigoríficos e está entre os líderes de mercado nas rotas comerciais Norte-Sul. Desde o final de 2014, a empresa também vem operando nas rotas comerciais Leste-Oeste. Fundada em 1871, a Hamburg Süd possui presença global como um armador de alta qualidade por meio de sua subsidiária brasileira, Aliança, e sob a marca CCNI (Compañía Chilena de Navegación Interoceánica. Na categoria de transporte marítimo de cargas não regular (tramp shipping), a empresa opera graneleiros e petroleiros sob os nomes Rudolf A. Oetker (RAO), Furness Withy Chartering e Aliança Bulk (Aliabulk). Além de elevados padrões de qualidade, a atuação sustentável é uma parte fundamental da filosofia corporativa da Hamburg Süd. Para obter mais informações on-line, visite hamburgsud.com.

Divulgação
Publicado em Negócios

Buenos Aires, Agosto de 2017 – A sustentabilidade é uma das filosofias da Aliança e da Hamburg Süd, que contam com certificações importantes conquistadas pelo trabalho realizado para reduzir a emissão de gases com efeito estufa (GEE). A preocupação com os padrões de qualidade do ar também estão entre as prioridades dos principais portos do mundo, que assumiram um compromisso intitulado de “Iniciativa Climática Global dos Portos” (em inglês, World Ports Climate Initiative, WPCI). O objetivo é buscar ativamente a cooperação dos navios para reduzir as emissões de CO2.

Por acreditar nesta colaboração, o Porto de Buenos Aires decidiu reduzir algumas taxas dos navios da Aliança e da Hamburg Süd, que possuem certificados internacionais pela baixa emissão de poluentes. “A decisão do porto vizinho reforça o nosso compromisso com o meio ambiente, garantindo que as nossas embarcações atuem de forma eficiente e sustentável”, afirma Gustavo Biluca, Gerente de Procurement da Aliança Navegação e Logística para a região da América do Sul e Costa Leste.

Atualmente, os navios de contêineres têm os melhores resultados em termos de emissões de CO2 por Km TEU em comparação aos aviões de carga, caminhões, trens e balsas. Tanto que o grupo Hamburg Süd se comprometeu a reduzir as emissões de CO2 de sua frota em 45% até 2020, se comparado com o ano de 2009.

“A eficiência dos navios na operação diária é chave para o emprego de menor recursos. O chamado Slow Steaming, por exemplo, poupa até 40% do combustível com a redução da velocidade em quatro nós. Também estamos reduzindo o consumo energético de nossos contêineres refrigerados em mais 30% nas novas construções. Tudo isso porque a sustentabilidade é um componente imprescindível em nossa filosofia corporativa”, enfatiza Biluca.

Environmental Ship Index

Um dos projetos dentro do WPCI (Iniciativa Climática Global dos Portos) é o Environmental Ship Index (ESI), que identifica os navios que promovem redução das emissões atmosféricas acima das exigências previstas pelas normas de emissão da Organização Marítima Internacional. O ESI avalia a quantidade de óxido de nitrogênio (NOx) e óxido de enxofre (SOx), sendo um indicador perfeito do desempenho ambiental dos navios.

O índice é utilizado pelos portos para recompensar navios que participam do ESI e que assumem um papel de relevância na melhoria do ambiente marítimo e portuário. “Todas as partes interessadas no transporte marítimo podem usar o ESI como um meio para melhorar seu desempenho ambiental e como um instrumento para atingir seus objetivos de sustentabilidade”, complementa o executivo.

Sobre a Aliança Navegação e Logística

A Aliança Navegação e Logística foi fundada em 1950 por Carl Fisher. Em 1998, a empresa foi adquirida pelo Grupo Oetker, também proprietário da Hamburg Süd. Em 1999, a Aliança retomou o transporte de cabotagem no Brasil, que até então era subutilizado.

Entre 2013 e 2014, a Aliança reestruturou sua frota de cabotagem com um investimento de R$ 700 milhões na compra de 6 navios porta-contêineres com capacidades que variam de 3.800 TEUs a 4.800 TEUs. Atualmente, a empresa conta com 11 navios em operação no serviço, com amplo atendimento em 15 portos de Buenos Aires até Manaus, e um total de 104 escalas mensais.

A Aliança é market leader na cabotagem e possui uma carteira de clientes que vai do arroz ao zinco, com grandes, pequenas e médias empresas e em praticamente todos os segmentos do mercado, com destaque cada vez maior para os segmentos de bens de consumo duráveis. No ano passado, a cabotagem cresceu 7% em relação a 2015 e a expectativa para este ano é manter o ritmo de crescimento. Em 2016 foram movimentados 210 mil TEUs, o que significa um incremento de 15 mil TEUs em relação ao ano anterior.

A empresa tem forte atuação no mercado externo, com 25 navios porta-contêineres que fazem a rota internacional, distribuídos em 9 serviços. Além disso, oferece o transporte de granéis (fertilizantes, grãos e minérios), onde são utilizados 8 navios com capacidade que vão de 38 mil toneladas a 45 mil toneladas.

Sobre a Hamburg Süd

Hamburg Südamerikanische Dampfschifffahrts-Gesellschaft KG - Hamburg Süd está entre as dez maiores empresas de transporte marítimo de contêineres em todo o mundo. Com 116 navios de contêineres, capacidade física para mais de 600.000 TEUs e cerca de 50 serviços de linha, a empresa conta com 6.300 funcionários em 250 escritórios espalhados por todo o globo, garantindo que os clientes recebam soluções logísticas sob medida para suas necessidades específicas. O transporte de produtos frescos é uma competência essencial do grupo de transporte de cargas. A Hamburg Süd é um dos 5 maiores transportadores frigoríficos e está entre os líderes de mercado nas rotas comerciais Norte-Sul. Desde o final de 2014, a empresa também vem operando nas rotas comerciais Leste-Oeste. Fundada em 1871, a Hamburg Süd possui presença global como um armador de alta qualidade por meio de  sua subsidiária brasileira, Aliança, e sob a marca CCNI (Compañía Chilena de Navegación Interoceánica. Na categoria de transporte marítimo de cargas não regular (tramp shipping), a empresa opera graneleiros e petroleiros sob os nomes Rudolf A. Oetker (RAO), Furness Withy Chartering e Aliança Bulk (Aliabulk). Além de elevados padrões de qualidade, a atuação sustentável é uma parte fundamental da filosofia corporativa da Hamburg Süd. Para obter mais informações on-line, visite hamburgsud.com.

Divulgação
Publicado em Negócios

Manaus, agosto de 2017 – A Aliança Navegação e Logística, líder em cabotagem no Brasil, realizou a entrega, em Manaus, de um contêiner de 20 pés para o Comando Naval da Amazônia Ocidental do 9º Distrito Naval, que engloba os Estados do Amazonas, Roraima, Rondônia e Acre, onde atuam nove organizações militares diretamente subordinadas - Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental, Comando da Flotilha do Amazonas, Estação Naval do Rio Negro, Batalhão de Operações Ribeirinhas, Centro de Intendência da Marinha em Manaus, Capitania Fluvial de Tabatinga, o 3º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral, Policlínica Naval de Manaus e o Serviço de Sinalização Náutica do Noroeste.

Atualmente, as instalações da Marinha do Brasil em Manaus estão em uma área tombada como patrimônio histórico pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), não podendo realizar modificações ou construir novos compartimentos. Como havia uma grande necessidade por mais espaços para armazenamento de materiais e equipamentos, a Aliança, que tem um departamento específico para avaliação da doação de contêineres (Equipment Logistics - Container Sale), chegou à conclusão da importância de contribuir com a instituição.

“Esperamos que o contêiner possa ampliar os espaços necessários pela Marinha do Brasil em Manaus, de forma que possa disponibilizar os equipamentos imprescindíveis ao trabalho em espaços maiores, facilitando o trabalho das equipes que atuam no Comando Naval da Amazônia”, ressalta Otávio Cabral, gerente da Aliança Navegação e Logística na região Norte.

A Aliança Navegação e Logística possui um programa de responsabilidade social, que inclui a doação de contêineres para projetos importantes em várias localidades. Este ano, a empresa promoveu durante a Intermodal um uma ação para selecionar o projeto que, segundo os visitantes do evento, deveria receber um contêiner como doação. Em Manaus, a Aliança doou um contêiner para a implementação de uma biblioteca pública em espaço arborizado no Conjunto João Bosco. Totalmente adaptado, o contêiner conta com 7.000 exemplares de livros disponíveis para a população.

Outra doação recente foi realizada para o Grupo de Apoio à Prevenção da AIDS, GAPA, em Santa Catarina. O objetivo é utilizar o contêiner como apoio para os materiais de conscientização e prevenção à doença. Por ano, são 12 mil pessoas atendidas, contando os serviços prestados na sede, nas comunidades e palestras sobre prevenção. O GAPA se mantém exclusivamente através de doações.

Sobre a Aliança Navegação e Logística

A Aliança Navegação e Logística foi fundada em 1950 por Carl Fisher. Em 1998, a empresa foi adquirida pelo Grupo Oetker, também proprietário da Hamburg Süd. Em 1999, a Aliança retomou o transporte de cabotagem no Brasil, que até então era subutilizado.

Entre 2013 e 2014, a Aliança reestruturou sua frota de cabotagem com um investimento de R$ 700 milhões na compra de 6 navios porta-contêineres com capacidades que variam de 3.800 TEUs a 4.800 TEUs. Atualmente, a empresa conta com 11 navios em operação no serviço, com amplo atendimento em 15 portos de Buenos Aires até Manaus, e um total de 104 escalas mensais.

A Aliança é market leader na cabotagem e possui uma carteira de clientes que vai do arroz ao zinco, com grandes, pequenas e médias empresas e em praticamente todos os segmentos do mercado, com destaque cada vez maior para os segmentos de bens de consumo duráveis. No ano passado, a cabotagem cresceu 7% em relação a 2015 e a expectativa para este ano é manter o ritmo de crescimento. Em 2016 foram movimentados 210 mil TEUs, o que significa um incremento de 15 mil TEUs em relação ao ano anterior.

A empresa tem forte atuação no mercado externo, com 25 navios porta-contêineres que fazem a rota internacional, distribuídos em 9 serviços. Além disso, oferece o transporte de granéis (fertilizantes, grãos e minérios), onde são utilizados 8 navios com capacidade que vão de 38 mil toneladas a 45 mil toneladas.

A Aliança Navegação e Logística apoiará a 24ª TAINHA DA GOTA, uma festa voltada inteiramente para a família, que será realizada nos dias 19, 20, 26 e 27 de agosto, em Santos. A festa é tradicional por servir tainha na grelha, farofa de camarão, arroz e molho à vinagrete.

A iniciativa reforça a participação da empresa em diversas ações sociais, que buscam o engajamento dos funcionários para contribuir com a melhoria de vida de comunidades carentes.

“A empresa poderá fazer a diferença para muitas crianças e famílias da nossa região. Ficamos orgulhos em saber que a sua empresa abraça a causa da responsabilidade social junto a uma das mais antigas instituições de atendimento à criança”, destaca a organização do evento.

A Assistência à Infância Gota de Leite de Santos é uma instituição filantrópica privada sem fins lucrativos, fundada em 11 de junho de 1914, declarada de utilidade pública Federal, Estadual e Municipal. Atualmente, atende 220 crianças de sete meses a 6 anos na creche e pré-escola, 170 crianças e adolescentes de 6 a 17 anos no projeto Gotas no Judô educacional e alto rendimento, 110 crianças e adolescentes de 8 a 17 anos no projeto Musicalidade na Gota e 80 participantes do projeto Gota Rosa. Também desenvolvem o projeto Gota +Verde, Dente de Leite e Nutrir, direcionados aos atendidos da entidade.

Anote em sua agenda:
24ª Tainha da Gota
Dias: 19, 20, 26 e 27 de agosto
Horários: Sábados das 12h às 23h e domingos das 12h às 17h
Endereço: Avenida Conselheiro Nébias, 388, Encruzilhada, Santos
Público estimado: 4.000 pessoas
Valor da entrada: R$ 70,00 para duas pessoas
Não pagam crianças abaixo de 10 anos acompanhadas de um adulto
Mais informações: http://www.gotadeleite.org.br/?page_id=61

Sobre a Aliança Navegação e Logística
A Aliança Navegação e Logística foi fundada em 1950 por Carl Fisher. Em 1998, a empresa foi adquirida pelo Grupo Oetker, também proprietário da Hamburg Süd. Em 1999, a Aliança retoma o transporte de cabotagem no Brasil, que até então era subutilizado.

Entre 2013 e 2014, a Aliança reestruturou sua frota de cabotagem com um investimento de R$ 700 milhões na compra de 6 navios porta-contêineres com capacidades que variam de 3.800 TEUs a 4.800 TEUs. Atualmente, a empresa conta com 11 navios em operação no serviço, com amplo atendimento em 15 portos de Buenos Aires até Manaus, e um total de 104 escalas mensais.

A Aliança é market leader na cabotagem e possui uma carteira de clientes que vai do arroz ao zinco, com grandes, pequenas e médias empresas e em praticamente todos os segmentos do mercado, com destaque cada vez maior para os segmentos de bens de consumo duráveis. No ano passado, obteve um faturamento de R$ 3,3 bilhões e movimentou 673 mil contêineres.

A empresa tem forte atuação no mercado externo, com 25 navios porta-contêineres que fazem a rota internacional, distribuídos em 9 serviços. Além disso, oferece o transporte de granéis (fertilizantes, grãos e minérios), onde são utilizados 8 navios com capacidade que vão de 38 mil toneladas a 45 mil toneladas.

Data: 19/08/2017
Endereço: Avenida Conselheiro Nébias, 388, Encruzilhada                                                        
Cidade: SANTOS              Estado: SÃO PAULO       País: BRASIL

Hamburg Süd
Publicado em Transporte

Empresa cumpre plenamente os requerimentos contidos na Convenção do Trabalho Marítimo (MLC 2006) antes mesmo de assinatura do governo brasileiro

São Paulo, Janeiro de 2017 - A Aliança Navegação e Logística, líder em cabotagem no Brasil, se antecipou e realizou, de forma pioneira e voluntária, a certificação de conformidade à Maritime Labour Convention /Convenção do Trabalho Marítimo (MLC 2006) em todos os navios de sua frota. A iniciativa reforça que a empresa cumpre plenamente os requerimentos contidos na Convenção e que está em conformidade com a MLC, mesmo antes de o governo brasileiro ter assinado o documento, embora o apoie.

A Convenção do Trabalho Marítimo da OIT, MLC 2006, entrou em vigor em agosto de 2013 e constitui uma nova “carta dos direitos”, garantindo a proteção aos trabalhadores marítimos em todo o mundo, bem como condições equitativas para os armadores. Ela tem o apoio total da Federação Internacional dos Trabalhadores em Transporte (ITF), que representa os trabalhadores marítimos, e da Federação Internacional de Armadores (ISF). A convenção é também apoiada pela Organização Marítima Internacional (IMO), que supervisiona o setor dos transportes marítimos e é responsável pela prevenção da poluição marinha provocada por embarcações.

A MLC 2006 é considerada o “quarto pilar” dos regulamentos marítimos mais importantes que cobrem os transportes marítimos internacionais, juntamente com a Convenção Internacional para Salvaguarda da Vida humana no Mar (SOLAS); a Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição Causada por Navios (MARPOL); e a Convenção Internacional sobre as Normas de Formação, Certificação e Serviço de Quartos para os Marítimos (STCW).

“A Aliança garante o direito de todos os marítimos da nossa frota – cerca de 400 – a um emprego digno e de qualidade. Verificamos e cumprimos todos os requerimentos previstos e inerentes à alimentação, assistência médica, camarotes individuais devidamente equipados, salários e benefícios, informação, lazer, equipamento de proteção individual, uniformes, bem com transporte gratuito por ocasião do embarque e desembarque dos tripulantes, entre outros pontos”, destaca Carlos Arthur, coordenador da Qualidade e Meio Ambiente Aliança Navegação e Logística.

A verificação do atendimento aos requerimentos contidos nas normas aplicáveis aos Códigos ISM.MLC 2006 e Normas NBR-ABNT 9001 e NBR-ABNT 14001:2004 é realizada durante as auditorias externas anuais, realizadas pela Sociedade Classificadora DNV/GL. A próxima será de 15 a 17 de fevereiro, quando a Aliança mais uma vez estará recebendo os auditores para a realização da auditoria externa de renovação do Documento de Conformidade. Na ocasião, os auditores irão verificar a Conformidade da Aliança junto aos requisitos do Código Internacional de Gerenciamento para Operação Segura e para a Prevenção da Poluição (Código ISM).

Sobre a Aliança Navegação e Logística

A Aliança Navegação e Logística foi fundada em 1950 por Carl Fisher. Em 1998, a empresa foi adquirida pelo Grupo Oetker, também proprietário da Hamburg Süd. Em 1999, a Aliança retoma o transporte de cabotagem no Brasil, que até então era subutilizado.

Entre 2013 e 2014, a Aliança reestruturou sua frota de cabotagem com um investimento de R$ 700 milhões na compra de 6 navios porta-contêineres com capacidades que variam de 3.800 TEUs a 4.800 TEUs. Atualmente, a empresa conta com 11 navios em operação no serviço, com amplo atendimento em 15 portos de Buenos Aires até Manaus, e um total de 104 escalas mensais.

A Aliança é market leader na cabotagem e possui uma carteira de clientes que vai do arroz ao zinco, com grandes, pequenas e médias empresas e em praticamente todos os segmentos do mercado, com destaque cada vez maior para os segmentos de bens de consumo duráveis. No ano passado, obteve um faturamento de R$ 3,3 bilhões e movimentou 673 mil contêineres.

A empresa tem forte atuação no mercado externo, com 25 navios porta-contêineres que fazem a rota internacional, distribuídos em 9 serviços. Além disso, oferece o transporte de granéis (fertilizantes, grãos e minérios), onde são utilizados 8 navios com capacidade que vão de 38 mil toneladas a 45 mil toneladas.

Assessoria de Imprensa

DFREIRE Comunicação e Negócios - www.dfreire.com.br

Contatos:

Élida Gonçalves – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Luciana Abritta – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Debora Freire – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tel. (11) 5105-7171

Hamburg Süd
Publicado em Transporte

Troca de experiências dentro da própria empresa pode garantir oportunidades de crescimento profissional na Hamburg Süd

 

São Paulo, dezembro de 2016 – O verso “Meu caminho pelo mundo eu mesmo traço” da canção “Aquele Abraço”, do cantor e compositor brasileiro Gilberto Gil, é levado à risca por alguns profissionais da Hamburg Süd. Na busca por conhecimento em áreas diferentes e que possam ampliar as oportunidades dentro da empresa, alguns profissionais viajam para outros países, atuam em outras funções dentro do próprio Grupo e retornam com experiências ricas para compartilhar. Outros nunca saíram do Brasil, estão na empresa há mais de décadas e souberam pavimentar uma história de sucesso com suas escolhas.

Na Hamburg Süd do Brasil são vários exemplos de profissionais que optaram por permanecer muitos anos na empresa e que ainda vislumbram uma trajetória longa pela corporação. Um dos principais exemplos é do diretor-superintendente, Julian Thomas, que veio para o Brasil no início da década de 80 como estagiário, a bordo de um navio do Grupo, e desistiu de retornar à Inglaterra para fazer um MBA quando recebeu o convite para continuar como trainee nos escritórios de Santos e São Paulo.

De lá para cá, o executivo assumiu várias funções e desfrutou do conhecimento que cada uma delas lhe proporcionou. De trainee ele passou a assistente da diretoria no Rio, subgerente de vendas em Salvador e gerente de uma linha da Europa no Brasil. Em 1990, ainda pela Hamburg Süd, deixou o País para assumir como diretor da empresa espanhola Ybarra, que fez uma joint-venture com o Grupo. Depois foi para os Estados Unidos e retornou ao Brasil em 1997 para liderar a operação.

“A experiência em diferentes áreas e funções na mesma empresa foi o segredo para ser o líder de hoje”, afirma Thomas. Segundo ele, várias pessoas chegam às empresas com o objetivo de crescer rápido e isso nem sempre é bom. “As pessoas se especializam muito cedo e querem ser gerente em um ano. É preciso conhecer mais da empresa para crescer com uma base sólida”, destaca o executivo, ao comentar que a Hamburg Süd estimula que o funcionário conheça outros setores, inclusive em outros países onde a companhia atua.

Que o Brasil é um grande exportador de funcionários, isso não há dúvida. Há 10 anos na Aliança Navegação e Logística, o atual coordenador de controladoria operacional em São Paulo, Alexandre Ávila, pode falar em causa própria. Com apenas 27 anos, o funcionário, que começou como estagiário rotativo promovido pelo Colégio Humboldt, já atuou em duas posições diferentes, por um período de quatro anos na matriz em Hamburgo, onde aprendeu muito sobre a estrutura do Grupo Hamburg Süd, do vocabulário técnico em alemão e da estratégia de negócios, pois acompanhava o fluxo global de contêineres. “Tudo começa por você! A empresa é grande e a rotatividade também. A partir do momento que você desempenha um bom trabalho e comenta com o seu gerente sobre o interesse de ir para fora ou de assumir outra função, ele mesmo te indica quando surge a vaga. É um processo natural”, ressalta Ávila.

Para Fernando Melo, funcionário há 31 anos, há sempre oportunidade para quem se identifica com a empresa e deseja crescer. Ele começou como assistente administrativo e passou também pelas funções de assistente de tráfego, analista, coordenador e gerente de trade, gerente de produto até chegar ao posto de gerente de operações.

“Tenho vários exemplos aqui na empresa e sou um grande incentivador para que as pessoas não desperdicem as oportunidades quando elas batem na porta. Haverá sempre espaço para aqueles que se preparam para assumir novos desafios”, comenta Melo, que espera encerrar a sua carreira profissional na mesma empresa.

De acordo com o executivo, reter talentos é uma combinação de fatores da empresa e do funcionário. “Ambos precisam trabalhar para que esse casamento seja duradouro”.

Outro exemplo de quem está construindo sua carreira na Hamburg Süd vem do gerente da LBU da região Sul, Leonardo Silva. Há 13 anos na companhia, ele começou sua trajetória na área operacional em Rio Grande (RS), seguindo para Recife (PE), onde atuou como coordenador de operações até março de 2008. No mês seguinte, foi transferido para São Paulo, onde permaneceu por cinco anos – seis meses realizando as funções de planner dos navios da cabotagem, dois anos como planner das embarcações de longo curso dos serviços da América do Norte e Caribe, e os últimos dois anos na área de Product Management também para América do Norte e Caribe.

Em 2013, assumiu a gerência da Aliança/Hamburg Süd na região Norte, onde foi responsável pelas áreas operacional, multimodal, logística, administrativa, financeira e recursos humanos, sendo transferido em 2015 para Itajaí (SC), onde assumiu a gerência da região Sul, respondendo pelas mesmas áreas atendidas na região Norte. No início deste ano, seus desafios aumentaram e ele também ficou responsável pelas vendas de longo curso e cabotagem de toda a região Sul.

“Nos últimos anos tivemos várias movimentações que abriram novas oportunidades na organização. Muitas delas necessitavam de disponibilidade de mudanças, bem como habilidades específicas e experiências diferenciadas”, explica Silva.

De acordo com o gerente, o colaborador deve ter o seu plano profissional e identificar oportunidades de conhecimento que possam agregar a novos desafios dentro da empresa, independente se ela tem ou não um plano de carreira estruturado.

A gerente de RH da Aliança/Hamburg Süd, Rosilene Senna, garante que a empresa vem buscando identificar colaboradores com perfis diferenciados para, juntamente com os gestores, criar planos de crescimento profissional. “Promovemos vários treinamentos internos e externos, job rotation e outras ações que possam trazer mais conhecimento e experiência para que os nossos profissionais se preparem para novos desafios dentro de casa”, enfatiza.

Sobre a Aliança Navegação e Logística

A Aliança Navegação e Logística foi fundada em 1950 por Carl Fisher. Em 1998, a empresa foi adquirida pelo Grupo Oetker, também proprietário da Hamburg Süd. Em 1999, a Aliança retoma o transporte de cabotagem no Brasil, que até então era subutilizado.

Entre 2013 e 2014, a Aliança reestruturou sua frota de cabotagem com um investimento de R$ 700 milhões na compra de 6 navios porta-contêineres com capacidades que variam de 3.800 TEUs a 4.800 TEUs. Atualmente, a empresa conta com 11 navios em operação no serviço, com amplo atendimento em 15 portos de Buenos Aires até Manaus, e um total de 104 escalas mensais.

A Aliança é market leader na cabotagem e possui uma carteira de clientes que vai do arroz ao zinco, com grandes, pequenas e médias empresas e em praticamente todos os segmentos do mercado, com destaque cada vez maior para os segmentos de bens de consumo duráveis. No ano passado, obteve um faturamento de R$ 3,3 bilhões e movimentou 673 mil contêineres.

A empresa tem forte atuação no mercado externo, com 25 navios porta-contêineres que fazem a rota internacional, distribuídos em 9 serviços. Além disso, oferece o transporte de granéis (fertilizantes, grãos e minérios), onde são utilizados 8 navios com capacidade que vão de 38 mil toneladas a 45 mil toneladas.

Assessoria de Imprensa

DFREIRE Comunicação e Negócios - www.dfreire.com.br

Contatos:

Élida Gonçalves – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Luciana Abritta – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Debora Freire – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tel. (11) 5105-7171

Rosilene Senna é gerente de Recursos Humanos da Aliança Navegação e Logística e da Hamburg Süd
Publicado em Outros

Manter uma carreira de sucesso não é nada fácil, principalmente numa economia em crise e com um alto grau de competitividade. Quem deseja se sobressair na profissão deve ficar atento a todas as oportunidades, inclusive dentro da empresa, para que possa aprender sobre diversas áreas, se especializar e atuar de forma que faça a diferença no mercado. Para ser protagonista da sua própria carreira, seguem cinco dicas:

1 - Ser proativo

Proatividade e conhecimento nunca são demais. Um profissional que sabe tudo sobre sua área e busca conhecer as demais sempre sairá na frente. Demonstre no dia a dia seu interesse pelo seu trabalho, dê dicas de melhorias e esteja sempre atento às políticas da empresa.

2 - Contribuir com outras áreas

“Isso não faz parte da minha função” é uma frase que deve ser excluída do seu dicionário. Contribuir com outras áreas pode facilitar ainda mais seu trabalho. Muitos processos e pendências podem ser melhorados se todos trabalharem juntos. Além disso, é uma oportunidade de mostrar seu compromisso com a empresa e a disposição de colaborar com a equipe.

3 - Manter boas relações

Contatos são essenciais dentro de uma corporação. Um bom networking profissional é o canal para novas oportunidades e desafios dentro da empresa, além de gerar sinergia entre todos os colaboradores e deixar o ambiente mais leve.

4 - Ser polivalente

Em um mercado de ampla concorrência, esse é o tipo de profissional que terá destaque. O que muitas empresas buscam hoje em seus processos seletivos são pessoas versáteis, que desempenham funções variadas. Isso não significa trabalhar mais, significa ter mais interesse e disponibilidade para assumir novos desafios.

5 - Resiliência

Resiliência e foco devem caminhar juntos. Foco para estabelecer e cumprir metas traçadas. Resiliência para lidar com obstáculos e pressões do dia a dia, enfrentando as questões com serenidade e competência. No ambiente profissional, tudo é consequência de muito trabalho e dedicação. Se houver alguma adversidade, se concentre no que é mais importante para superar esse momento e siga em frente! Brilho nos olhos, energia e otimismo podem ajudar a construir uma trajetória bem-sucedida e feliz.

(*) Rosilene Senna é gerente de Recursos Humanos da Aliança Navegação e Logística e da Hamburg Süd