Congresso de Cardiologia debaterá o despreparo de profissionais em hospitais para atender uma parada cardíaca

Atualmente morrem no país, 260 mil brasileiros por paradas cardiorrespiratórias


Congresso de Cardiologia debaterá o despreparo de profissionais em hospitais para atender uma parada cardíaca 1

            O número de vidas perdidas por parada cardiorrespiratória é enorme nos hospitais brasileiros, apesar de poucos estudos a respeito no país que poderiam constatar um quadro ainda mais grave. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, são 720 eventos por dia no Brasil e a chegada num pronto socorro é uma verdadeira corrida entre a vida e a morte. Para o coordenador do Centro de Treinamento em Emergências Cardiovasculares da SBC, Sergio Timerman, uma pessoa com parada cardíaca, a cada minuto sem atendimento, perde 10% de chance de sobreviver.

            Sérgio Timerman completa dizendo que os hospitais brasileiros, com raras exceções, são péssimos lugares para uma pessoa ter uma parada cardíaca. “Precisamos suprir a falta de preparo dos profissionais em realizar as manobras de reanimação para salvar vidas o quanto antes”, defende o cardiologista. O assunto é tão urgente que o 73° Congresso Brasileiro de Cardiologia, que começa na sexta-feira (14/09), em Brasília, terá um simpósio exclusivo sobre Emergências Cardiovasculares e Ressuscitação com o tema: ’Quão súbita é a morte súbita’. Um dos maiores especialistas no assunto, o professor de Medicina da Universidade do Arizona/EUA, Karl Kern, virá ao Brasil especificamente para participar do Simpósio. “Queremos mobilizar os especialistas e a sociedade como um todo para a importância de qualificar melhor os profissionais de saúde que estão à frente dos primeiros atendimentos e aprender um pouco mais com a experiência dos americanos”, explica Timerman.

            O coordenador do Centro de Treinamento em Emergências Cardiovasculares da SBC destaca que a incidência de parada cardiorrespiratória raramente é relatada na literatura médica. “Os valores variam entre um e cinco eventos por 1.000 internações”, completa Sérgio Timerman apontando uma prevalência bastante elevada e que tem que ser considerada para preparar melhor as equipes. “Os relatos de sobrevivência a paradas em hospitais variam entre 15% e 20%”, diz Timerman. Dados do Registro Nacional de Reanimação Cardiopulmonar, realizado entre 2.000 e 2.002, nos Estados Unidos, com 14.720 paradas cardiorrespiratórias em adultos, em 207 hospitais, demonstraram que 44% dos adultos, vítimas dos eventos em hospitais, tiveram o retorno da circulação espontânea e 17% sobreviveram até a alta hospitalar. “Os números demonstram que preparo e agilidade no pronto atendimento salvam muitas vidas e estamos perdendo essa batalha por aqui”, finaliza o cardiologista. 

            A SBC possui centros de Treinamento em Emergências da SBC, em São Paulo e no Rio de Janeiro, que estão aptos a realizar os cursos de BLS (Basic Life Suport) para a população em geral, ACLS (Advanced Cardiac Life Support) voltados para os profissionais de saúde e PALS (Pedriatric Advanced Cardiac Life Support) adaptado para treinamento em emergências de crianças e bebês. Todos com o aval da American Heart Association.  A SBC ainda ministra os cursos TECA A, TECA B e TECA L – Treinamento em Emergências Cardiovasculares desenvolvidos aqui no Brasil para a realidade de nosso país.

Serviço: 

73º Congresso de Cardiologia

Data: de 14 a 16 de setembro

Local: Centro Internacional de Convenções de Brasília – CICB

Endereço:SCES Trecho 2, Conjunto 63, Lote 50 – Asa Sul, St. de Clubes Esportivos Sul Trecho 2 – Brasília, DF, 70200-002

Informações e Inscrições: http://cardio2018.com.br/


DOC PRESS

Compartilhar Conteúdo
Release / Artigo
Texto com Imagens
Vídeo
Youtube, Vimeo ou Vine
Áudio
Soundcloud ou Mixcloud
Imagem
Fotos e Imagens